Como o cristão defende a criação do homem

Share Button

Se você é cristão, já deve ter se perguntado como pode defender a criação do homem para alguém que não acredita na bíblia. Embora a teoria da evolução seja cada vez mais aceita, a ideia de que Deus é o criador de tudo ainda é a tese aceita pela maioria da população mundial. Mostrar a alguém que acreditar que a criação do homem foi um plano de um Senhor não contradiz a ciência é difícil. Neste texto queremos que você também saiba como pode responder aos questionamentos que os céticos fazem sobre a bíblia. Este texto pode ser lido individualmente, e também ser levado para estudo de jovens, células e grupos cristãos, para que todos possam refletir e desenvolver este assunto.

Vamos começar com uma pergunta básica, mas que rende muito assunto. É possível para um cristão acreditar na teoria do Big Bang e na evolução das espécies? Talvez esta seja uma das perguntas mais controversas e polêmicas para se discutir dentro da igreja. Vivemos um conflito gerado por informações, fé e descobertas científicas que já dura décadas, na verdade séculos. Por um lado temos nossa fé e convicções firmadas no cristianismo. Por outro lado, surgem descobertas e estudos que parecem conflitar com a crença em Deus, mas que também não podem ser desconsideradas.

O principal erro no cristão, ao apresentar o evangelho a quem não crê, é querer falar de versículos e suas opiniões baseadas na Bíblia. O cético não acredita na bíblia, não adianta citar versículos bíblicos para uma pessoa assim. Temos que usar a lógica para que a pessoa perceba que crer em Deus não é nenhum absurdo.

O debate é antigo e, na minha opinião, céticos e religiosos seguem cometendo os mesmos erros, sendo o principal deles o fato de defenderem suas ideias sem abrir possibilidades para que ambos estejam certos.

Acredito que criacionismo e evolucionismo podem ser os dois lados de uma mesma moeda. Como em um jogo de futebol, ao fim da partida, alguém vai dizer que o time perdeu por causa do árbitro, outra pessoa vai alegar que o outro time jogou melhor e há ainda quem vá defender que tudo foi questão de azar e sorte. Os três viram o mesmo jogo, mas sob ponto de vista diferente, isso não significa que alguém está mentindo e que só pode haver uma pessoa falando a verdade.

Quando temos fé sobre a criação do homem, não precisamos adaptar nossa fé ao que os outros pensam, mas devemos nos lembrar que o apóstolo Paulo se fez grego para os gregos e judeu para os judeus. Ou seja, ele apresentou o cristianismo de acordo com cada cultura, cada saber. para falar de Jesus aos judeus, ele falava das profecias; e para falar de Jesus aos gregos ele precisava filosofar mais. Da mesma forma, quando apresentamos a fé em Deus a quem não acredita (amigos e professores da faculdade, por exemplo), não precisamos bater de frente, mas apresentar nossa fé de forma lógica.




Os erros do passado

Ao estudarmos um pouco sobre o assunto, descobrimos que, curiosamente, grandes descobertas científicas, que tiraram o conhecimento humano das trevas, foram feitas por pessoas que acreditavam em Deus, como Copérnico e Albert Einstein. Pessoas que acreditavam que a criação do homem teve uma origem divina, mas ainda assim estudaram fundo a ciência.

No passado, acreditar que a Terra era redonda era heresia. Hoje, acreditar no Big Bang, afirmar que o Universo tem 14 bilhões de anos, ou dizer que nosso planeta está perto de completar 4 bilhões de anos ainda é considerado herege por grande parte dos cristãos. Contestar a ideia da criação de tudo o que existe no Universo em seis dias ainda é perigoso, principalmente para pessoas que frequentam uma igreja evangélica. Pessoas que seguem o cristianismo, mas que apoiam a teoria do Big Bang ainda são discriminadas dentro da própria igreja.

Estamos preocupados em como defender o criacionismo, mas não temos disposição de conhecer melhor o que é o evolucionismo e como o livro de Gênesis foi escrito, em seu contexto cultural, histórico e antropológico.

Para falar de Deus para um ateu, não adianta discutir a origem do homem e do Universo. Tenha como foco o amor ao próximo, que mais importante do que saber como foi a criação do homem é saber como amar uns aos outros e isso aprendemos na bíblia e não nos livros de biologia e química.

O erro dos céticos

Este site não é direcionado a ateus e céticos, por isso não quero focar o texto nos erros deles, mas posso pincelar alguns motivos que muitos deles deixam de considerar sobre a fé em Deus para que possamos argumentar a favor da nossa fé.

No Brasil, especialmente, percebo que muitos céticos sequer sabem no que acreditam. Dizem que acreditam na teoria da evolução e do Big Bang, mas nunca leram a respeito e se você fizer perguntas complexas sobre o assunto, não sabem responder. Assim como quase tudo em nosso país, acreditam no que acreditam por conta própria, sem base, sem conhecimento, sem argumentos. Muitos céticos são tão fanáticos, ou mais, que muitos crentes. Defendem suas ideias sem aceitar a menor possibilidade para a existência de Deus.

Os ateus criam rixas com os que acreditam e estão mais preocupados em estarem certos para provarem aos que creem que a fé em um Criador do Universo é absurda.

Tenho muitos aconhecidos ateus e grande parte deles simplesmente rejeitam a possibilidade de a criação do homem ter sido feita por um Criador porque ninguém nunca focou o amor, a misericórdia.

Erros dos crentes

Queremos levar os escritos de Gênesis a ‘ferro e fogo’, no sentido literal. Simploriamente, gostaria de lembrar que por levarem as profecias a ‘ferro e fogo’ e de forma literal, a maioria dos judeus rejeitou Jesus como o messias. Deus nos abre os olhos para enxergarmos o mais difícil, a vida espiritual, mas fechamos os olhos para outras coisas óbvias. Da mesma forma simples, posso questionar: Deus não teria capacidade para fazer os animais evoluírem e se adaptarem? Não digo que acredito nisso, mas para começar a falar do amor de Deus a quem não acredita, podemos dizer que realmente a evolução é aceitável e isso não abala nossa fé, pois temos experiências com Deus que é maior e mais impactante do que qualquer teoria e filosofia.

Gênesis

A maioria dos estudiosos religiosos credita a autoria do Pentateuco, os cinco primeiros livros da bíblia, a Moisés. Sendo ele, ou qualquer outra pessoa, podemos já ver que o autor de Gênesis escreveu sobre acontecimentos que ocorreram milhares de anos antes. O desenvolvimento da escrita se deu muitos anos após o desenvolvimento da língua, portanto, acredito, que por muitos anos, as histórias da ação de Deus sobre os homens se passaram de forma oral, de geração em geração.

Ainda que o Espírito Santo tenha orientado os antigos profetas sobre contos mais antigos, o conhecimento que tinham na época não lhes permitia escrever detalhes históricos e científicos que conhecemos hoje.

Se a bíblia, o livro de Gênesis, explicasse a origem da Terra com detalhes geológicos e astrofísicos, duvido que as pessoas que viviam naquela época aceitariam aquilo como real e proveniente de revelação divina. Sabemos que Jesus se referia ao grão de mostarda como o menor grão da Terra, o que não é (é a semente de morango, fruta que os judeus desconheciam), mas se ele tivesse falado de algo que ninguém conhecia, ninguém entenderia. Jesus usou algo de conhecimento daquele povo, assim, acredito, ocorreu também no passado. O menor grão é o do morango, mas o povo daquela região, naquela época, não aprenderia nada se Jesus tivesse feito pregações sobre o morango.

O livro de apocalipse está cheio de linguagem figurada, assim como Salmos e diversas profecias, como as de Daniel e Isaías, mas isso não quer dizer que são mentirosas. E se, cogitarmos que Gênesis também está cheia de linguagem figurada? Seria um erro? Acredito que não. Como se deu a criação do homem não era o foco de Moisés, mas mostrar que os conceitos da época estavam errados. Os povos acreditavam em diversos deuses, castigos, animais eram mais importantes que o homem. Com a escrita sobre Adão e Eva vemos a criação e o Criador de uma maneira que era revolucionária na época. O foco do Criador , através dos profetas, não era nos ensinar sobre física ou química, mas nos mostrar sobre seu plano de salvação para o homem.

Se a história de Adão e Eva ocorreu de maneira figurada ou literal é o de menos. Ninguém vai ser salvo ou condenado por causa disso. Portanto, não tente convencer uma teu sobre isso, fale do amor de Deus e que Ele está disposto a nos ouvir nas situações de dificuldades.

Quando o cético passar por um momento de dificuldade, ele vai lembrar de suas palavras e vai ter a oportunidade de ter uma experiência real com o Senhor, e isso é mais importante do que saber como se deu a origem do Universo.

Verdade teológica

O livro de Gênesis nos traz conhecimentos teológicos que eram desconhecidos na época, como um único Deus, os animais não são deuses ou Deus é o Senhor supremo e criador de todas as coisas.

Gosto de comparar o livro de Gênesis com as parábolas de Jesus. Não eram histórias reais, mas traziam conhecimento real sobre Deus. Gênesis pode não ter acontecido como lemos sumariamente na Bíblia, mas não significa que seja errada, pois seus conhecimentos teológicos são corretos.

Por fim, podemos lembrar do livro de Apocalipse. Existe livro mais cheio de mistérios e linguagem figurada?

Toda escritura foi feita por inspiração divina

Sabemos que todos os livros da Bíblia foram escrito por inspiração divina, mas isso não significa que profetas entraram em “transe”, saíram de si, para escreverem. Todo pregador evangélico já foi inspirado por Deus para realizar um culto, mas certamente usou a inspiração divina mesclada com conhecimentos pessoais para fazer sua pregação. Da mesma forma, acredito que o livro de Gênesis foi escrito por inspiração divina, mas com conhecimentos do autor daquela época.

A criação do homem é um tema muito discutido e questionável. Mais importante do que saber como ocorreu de fato é saber por que ocorreu; e sobre isso a bíblia nos ensina muito bem. Por isso, não gaste seus esforços tentando explicar como aconteceu a criação do homem, mas sim em demonstrar o amor do Criador por nós, pois Jesus disse que seríamos reconhecidos como seus seguidores se demonstrarmos amor uns com os outros . Ele nunca falou que seríamos conhecidos por saber todas as respostas.

Leia também:

Por: Ronnie Turrini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *