Estudo bíblico sobre louvor e adoração 

Share Button

Realizamos este breve estudo bíblico para você entender um pouco melhor sobre a história da música religiosa devemos entender como a música é apresentada na Bíblia, em quais circunstâncias, para que motivos e todo o seu contexto. Ao realizarmos um levantamento sobre a origem da adoração e louvor em forma de música encontramos uma bela história que nos mostra como o louvor e a adoração movem o coração de Deus, e podem ser ferramentas para nos comunicarmos com o Pai, seja para fazer nossos pedidos, seja para agradecer, ou simplesmente pedir perdão e reconhecer a soberania de Deus em nossas vidas. A cultura judaica mantém suas origens musicais vivas em ritmos únicos e contagiantes. A música cristã, por sua vez, ganha formas e se torna tão eclética quanto a secular.

Para aprofundar seu estudo bíblico sobre louvor e adoração, recomendamos que leia também:

Produção-de-eventos

Etapas da adoração no Antigo Testamento

Vamos iniciar este estudo bíblico analisando o louvor no Antigo Testamento. Para compreender o desenvolvimento da adoração podemos dividir a história em três pontos. Em Gênesis 12:7 e 8 e Gênesis 13:4 podemos ler sobre a forma de adoração dos patriarcas. No primeiro trecho citado anteriormente, lemos “E apareceu o Senhor a Abrão, e disse: À tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar ao Senhor, que lhe aparecera. E moveu-se dali para a montanha do lado oriental de Betel, e armou a sua tenda, tendo Betel ao ocidente, e Ai ao oriente; e edificou ali um altar ao Senhor, e invocou o nome do Senhor”. Já no capítulo 13, versículo 4 lemos “Até ao lugar do altar que outrora ali tinha feito; e Abrão invocou ali o nome do Senhor”.

Embora este trecho não especifique que tipo de adoração Abraão realizou, podemos entender que, de qualquer forma, o conceito de adorar a Deus já estava em prática.

Depois que os judeus se estabeleceram na terra prometida, a adoração passou a ser no tabernáculo e no templo. Neste caso, não podemos desprezar os sacrifícios como forma de adoração.

Por fim, a adoração nas sinagogas, como podemos verificar em Isaías 6:1 a 7. Podemos identificar, neste estudo bíblico sobre adoração, que alguns trechos são mais claros sobre as formas de adorar ao Criador.

Um ou outro estudo bíblico identifica, ainda, as ofertas de Caim e Abel como ofertas de louvor e/ou adoração.

O motivo da adoração

Para não tornar este estudo bíblico muito longo, vamos direto a um dos textos mais extravagantes e misteriosos da bíblia, justamente Isaías 6:1 a 7 lemos como a adoração a Deus envolve o reconhecimento da grandeza de Deus e de nosso ser pecaminoso.

“No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi também ao Senhor assentado sobre um alto e sublime trono; e a cauda do seu manto enchia o templo. Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas; com duas cobriam os seus rostos, e com duas cobriam os seus pés, e com duas voavam. E clamavam uns aos outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória. E os umbrais das portas se moveram à voz do que clamava, e a casa se encheu de fumaça. Então disse eu: Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos. Porém um dos serafins voou para mim, trazendo na sua mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz; E com a brasa tocou a minha boca, e disse: Eis que isto tocou os teus lábios; e a tua iniquidade foi tirada, e expiado o teu pecado”.

Este texto identifica que o louvor e a adoração também fazem parte do reino celestial.

Início da adoração cristã

Vamos trazer este estudo bíblico sobre louvor e adoração para o Novo Testamento.

Engana-se quem aça que Jesus não seguia os costumes judaicos, principalmente no que se refere à adoração. A adoração a Deus não tem separação entre Novo ou Antigo Testamento, adorar a Deus é um comportamento que sempre existiu e sempre existirá. Em Lucas 4:16 a 21 lemos que Jesus ia regularmente ao templo para adorar. “E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração, A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor. E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos”.

O Novo Testamento é repleto de trechos que nos mostram Jesus participando dos eventos judaicos. Vamos nos reter ao exemplo acima para não tornar este estudo bíblico demasiado extenso.

A partir daí é fácil perceber que a adoração cristã tem forte influência da forma de adoração judaica, no templo e nas sinagogas. O tempo nos trouxe novos modelos e algumas variações da adoração, mas a essência é a mesma. Os primeiros cristãos tinham como única referência de reunião religiosa os cultos a Deus no templo e na sinagoga.

Tempos modernos

Podemos concluir este estudo bíblico sobre louvor e adoração, lembrando que a origem da adoração cristã não surgiu para rivalizar com o sistema judaico, mas surgiu como uma espécie de ramificação. Apesar de tantas culturas e diferentes ritmos, a adoração cristã mantém a essência de adorar a Deus em reconhecimento a quem ele é.

Apesar de nosso dever em realizar um trabalho bem feito, o mais profissional possível, não devemos encarar a música cristã como a música secular é realizada, puramente comercial e rivalizando entre si.

Este breve estudo bíblico pode servir de assunto para uma reunião de louvor, para mostrar à equipe o significado histórico de louvar e adorar a Deus.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *