Estudo sobre evangelismo 

Share Button

Neste estudo sobre evangelismo vamos ver que quando estamos semeando a Palavra de Deus queremos saber se estamos agindo corretamente. Muitas vezes, as expectativas e comparações com outras pessoas atrapalham nosso caminhar e nossa própria percepção de como o Senhor tem nos abençoado e nos usado. Queremos ver frutos daquilo que estamos plantando, mas esquecemos que nossa missão é lançar a semente, e que seus frutos dependem do solo, ou seja nem sempre depende de nós. Quando falamos e testemunhamos de Cristo para aqueles que estão ao nosso redor, esperamos que eles vão se alegrar e caminhar conosco no cristianismo, mas, infelizmente, raramente isso acontece, o que nos deixa com vontade de desistir. 

Vamos direcionar este estudo sobre evangelismo para um foco diferente, para a decepção quando as pessoas evangelizadas não seguem nossas recomendações e orientações. Se você já falou do amor de Deus para alguém, já deve ter passado por isso; a pessoa até gosta do que falamos, acha bonito, mas não quer praticar. 

Nossas expectativas de verem todos os que estão ao nosso redor andando no caminho da luz se tornam em decepção quando vemos que muitos de nossos amigos e familiares até aceitam a Palavra, e acham que somos verdadeiros cristãos, mas ainda assim relutam em fazerem parte do corpo. Damos testemunho, damos presentes, servimos de apoio e consolo, mas quando convidamos para ir à igreja, ninguém quer. Cada um tem sua saída. Muitos deles até dizem que já tem uma religião e que não querem mudar. Nessas horas, não podemos nos desanimar, mas devemos compreender que estamos fazendo nossa parte semeando a Palavra de Deus. Não cabe a nós convencer o homem do pecado. 




Os frutos de uma árvore 

Um dos ensinamentos de Cristo, que queremos destacar neste estudo sobre evangelismo, é que cada árvore produz um tipo de fruto e que estes frutos testificam que tipo de árvore é sua “dona”. Ou seja, se alguém tem belas palavras da boca pra fora, mas continua na prática da escuridão, seu interior permanece nas trevas. Ao ler o capítulo 6 de Lucas, vemos Jesus ensinando muitas coisas sobre os que ouvem e não praticam e os que ouvem e praticam seus ensinamentos. Tudo começou com a cura em um sábado, o que deixou líderes religiosos furiosos. 

Porque não há boa árvore que dê mau fruto, nem má árvore que dê bom fruto. Porque cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto; pois não se colhem figos dos espinheiros, nem se vindimam uvas dos abrolhos. Lucas 6:43,44 

Infelizmente, muitas pessoas que estão ao nosso redor fazem parte dos que ouvem e não praticam. A maioria das pessoas têm uma rejeição aos evangélicos e não querem se tornar “um deles”. Mesmo contando com nossa ajuda e compreensão em momentos delicados, preferem não se tornar evangélicos porque, no fundo, continuam preconceituosos ou “envergonhados”, pois não querem ser vistos como crente, como evangélico, acham que é mais “bonito” serem chamados de budistas, agnósticos ou qualquer outra coisa. Não temos o poder de mudar isso, nossa tarefa é continuar semeando a Palavra de Deus a todos, inclusive a estas pessoas. 

Muitos, talvez todos, estudos sobre evangelismo relatam que você tem o poder de converter multidões, o que não é verdade. Podemos pregar para multidões, mas a conversão, não é nosso papel. 

Nossa frustração pode se tornar motivo para desistirmos, mas devemos lembrar que Jesus também não desistiu de nós. Nossa tarefa não é julgar, mas amar ao próximo. Se você tem pessoas próximas a ti que te ouvem falar de Cristo e sabem que você dá bom testemunho do evangelho, mas elas, ainda assim não querem seguir o caminho de Cristo, não se sinta desanimado. A oração é sua arma. Lembre-se que sua tarefa é continuar semeando a Palavra de Deus, e Ele fará sua vontade. Como os outros reagirão e darão sequência ao que ensinamos, não está sob nosso poder. 

Assuma uma postura 

Da mesma forma, não podemos desistir de uma vida regrada, sob a orientação do Espírito Santo, porque os outros não seguem nossa fé. Se, por exemplo, em nossa casa não há rotina de oração, isso não significa que devemos nos acomodar e entrar neste ritmo. Pelo contrário, devemos ser exemplo. Ainda que ninguém mais em seu lar seja cristão, convide-os para orar. Se não quiserem, você não pode fazer muito, apenas orar por eles; e fazer que eles enxerguem em você uma pessoa segue sua fé independente do que acontece ao redor. Ainda que ninguém mais queira seguir na prática do cristianismo em sua casa, não desista, não abra mão de sua bênção. 

Uma dica é avisar que você vai orar e perguntar se alguém quer pedir algo, um motivo de oração. Assim, elas vão percebendo que você só quer ajudá-las. Seja amoroso e respeitoso, com o tempo, sua família (caso não sejam cristãos) vão se acostumando com sua rotina e, certamente, um dia vão se abrir com você e vão começar a pedir por algo em suas orações. Outra dica, se sua família é grande, é conversar individualmente com cada um, pois quando as pessoas se juntam, ficam mais na defensiva. Qualquer texto sério sobre evangelismo no lar vai te ensinar isso, permanecer na oração e ser exemplo de amor e perdão. 

  • Não importa se o motorista do ônibus não responde seu bom dia, se o caixa do mercado está sempre mal humorado ou se um cliente é sempre problemático; seu papel é persistir no amor, na caridade e na misericórdia. Suas atitudes e comportamento frente a situações de estresse é uma forma de demonstrar que está semeando a Palavra. Seja você a diferença, a luz nas trevas. Mantenha uma postura positiva, mesmo nas adversidades, refletindo assim um caráter de Cristo que agrada ao Senhor. 

Talvez, você nunca tenha lido sobre isso em outro estudo sobre evangelismo, mas em muitos casos o seu testemunho não alcança diretamente com quem você está lidando, mas com quem está ao redor. Por exemplo, você dá bom dia todo dia ao motorista do ônibus, que nunca lhe responde. Pode ser que este motorista não aprenda nada, mas os demais passageiros do ônibus sabem que você continua sendo gentil mesmo com quem “não merece”. Neste caso, seu testemunho alcançou pessoas que não estão envolvidas diretamente no caso, mas estão te observando. Pensar nisso é muito importante quando achamos que está na hora de parar de ser gentil com quem “não merece”. Mesmo porque, Ele não desiste de nós, mesmo quando não merecemos sua misericórdia, ou seja, todo dia. 

Dê bons frutos 

Agora vamos falar um pouco sobre a perseverança neste estudo sobre evangelismo, amar sem esperar retorno imediato das pessoas. Dependemos exclusivamente da bondade de Deus, e não de como as outras pessoas lidam conosco. Uma árvore é conhecida pelos seus frutos. Não seja uma pessoa na igreja, e outra em casa, ou no trabalho. Seja uma constante bênção aos que estão ao seu redor, mesmo quando estas pessoas parecem não valorizar seu esforço, ou parecendo que até gostam de suas palavras, mas preferem não criar intimidade com o Senhor, pois muitas pessoas ainda não aceitam Jesus porque não querem assumir compromissos. Não querem abrir mão de seu tempo, descanso ou tradição para trilhar novos caminhos na presença de Jesus Cristo. 

Quando estiver evangelizando lembre-se que você faz isso por amor a Deus, por que você sabe o que Ele tem feito por ti; no entanto, outras pessoas não conhecem Deus, por isso preferem continuar sem mudar isso, por medo de terem que abrir mão de algo; quando na verdade mal sabem que não precisam abrir mão de nada, apenas de uma certa vaidade, ou orgulho, que as impedem de alcançar voos mais altos. Assim, terminamos este estudo sobre evangelismo fazendo-o lembrar que a demonstração de amor e carinho é uma poderosa arma espiritual, e que nossas expectativas e ansiedade não servem para medir se estamos fazendo certou ou não, pois o terreno (o coração) não é nosso, apenas a semente que lançamos. 

Para aprofundar seu estudo sobre evangelismo, leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *