Ministração de oferta baseada em Abel e Caim 

Share Button

Quando falamos em ministração de oferta, não restringimos o assunto aos dízimos e ofertas financeiras; queremos abranger nossa vida como oferta suave. Uma das passagens mais conhecidas da bíblia é também uma das mais curiosas e intrigantes, o relato dos irmãos Abel e Caim. Quando lemos o primeiro livro da bíblia, mais precisamente após o capítulo 4, nos deparamos com uma série de questionamentos e dúvidas. Neste texto queremos pensar um pouco sobre a oferta que cada um fez ao Criador e tentar entender por que uma delas foi aceitável e agradável a Deus enquanto outra foi recusada. A bíblia não diz claramente o porquê disso, mas podemos encontrar algumas pistas para que o princípio de gratidão seja estabelecido em nosso relacionamento com o Altíssimo. 

Para iniciar esta ministração de oferta, vamos dar uma lida no trecho a seguir para dar prosseguimento a esta reflexão sobre Abel e Caim. 

E aconteceu ao cabo de dias que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor. E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura; e atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta. Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante. E o Senhor disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar. Gênesis 4:3-7 

Em Hebreus 11 lemos que Abel ofereceu melhor oferta que Caim pela fé. Embora possamos realizar muitos estudos e pensamentos sobre isso, queremos manter esta ministração de oferta no simples. Se você ler, em Gênesis 4, como Caim se revoltou e agiu após ver sua oferta rejeitada, fica claro que em seu interior ele já era mau. Teve inveja do irmão e o matou, simples assim. Se seu interior fosse humilde, buscaria corrigir seu erro, mesmo porque, como lemos acima, o Senhor ainda lhe explicou que se agisse corretamente, seria aceito.  

Por que Deus aceitou a oferta de Abel? 

Ofertar nossa vida é demonstrar nossa fé, por isso a ministração de oferta sempre tem relação direta com a fé. Uma prova de que Deus se importa com o que você retribui a Ele, é o que lemos em Genesis 4:3-5, Deus se agradou da oferta de Abel e não se agradou da oferta de Caim. Será por quê? Permita-me viajar no tempo e observar os fatos que ali se passavam, com Abel e Caim, e propor-lhes uma situação plausível (não está escrito, mas subtende-se pela nossa experiência de vida). Talvez Abel devia já ter acordado cedo e seu primeiro pensamento foi: “tenho que separar logo minha oferta pro Pai”. E com alegria, correu para seu rebanho e escolheu sua melhor ovelha. “essa sim, meu papai merece! Ele vai amar!!! Hum….vou levar gordura também….mas deixe-me ver….essa não! Essa tá suja, essa tá rala, essa tá azeda…hummmm, essa sim, é a melhor que tenho, vai ficar ótimo com a melhor ovelha!”, deve ter pensado. 



Por que Deus rejeitou a oferta de Caim? 

E Caim? Trabalhou o dia todo na terra, era lavrador. Já cansado, lembrou: “Humm, tenho que levar minha oferta pro Pai, vou levar estes legumes mesmo que já estão por aqui. Estas frutas que sobraram de ontem. Pronto jáestá bom! Faço isso sempre, o importante é não chegar de mãos vazias, senão aquele chato do Abel vai ficar melhor na fita do que eu. Nada disso! Vamos lá mais uma vez fazer o mesmo que sempre faço!”, e assim fez. 

Se você não concorda com este exemplo para sua ministração de oferta, dê um exemplo de sua visão de como deve ter sido este dia. 

Presentes para os amados 

Suposições sobre Abel e Caim, mas pode ter sido assim, não é? Como você age na compra do presente pro seu pai ou sua mãe? Qualquer coisa serve? E pro seu namorado? E pro amor de sua vida? Você poderia responder: Só o fato de amar já basta! Sim, é verdade! Deus saber que você o ama é de fato maravilhoso! Mas só saber do seu amor é o suficiente para seus pais ou seus filhos, ou seu namorado? Não é um toque a mais, poder presenteá-los? 

A oferta e dízimo implicam no grau de relacionamento e intimidade que você tem com o Pai! Por isso a fé é importante ao traçarmos uma ministração de oferta. 

Nos exemplos acima, de nossas suposições sobre Abel e Caim, apenas nos fazem refletir sobre nós mesmo. Claro que exageramos na personificação de cada um, mas apenas com o intuito de tornar o assunto mais pessoal, puxando para nós a responsabilidade sobre nossas ações. 

A oferta de Deus 

Já parou para pensar sobre a oferta que o nosso Criador nos fez? Sabe com o que Ele nos presenteou? Sabe o que Ele ofertou e dizimou? Seu único Filho, Jesus Cristo. Por amor a você! E você se preocupa com o que pode ofertar como expressão de gratidão? Não bastasse a salvação, uma nova vida e eterna. É Ele quem te abençoa com sua saúde, seu trabalho, sua família; e mesmo que você não tenha nada disso, a salvação e o resgate de sua vida valeria toda e qualquer manifestação de gratidão. 

Além do mais, você que é cristão, foi arregimentado para o exército de Deus, está inserido no Reino do Senhor, então precisa ter noção de Reino, pensar e atuar como reino, pois o inimigo leva seu reino a sério e tem escalões e legiões, principados e potestades devidamente instaladas e distribuídos por toda a terra, tudo muito bem organizado e comandado, a fim de ceifar sua vida e tentar frustrar os planos de Deus! E você não leva isso a sério? 

Invista no seu Reino! Contribua, trabalhe, lute desesperadamente para tirar vidas das mãos de Satanás e juntar tesouros nos céus onde as pragas não o corroem! 

Diz a palavra de Deus que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males (1 Timóteo 6:10). Preste atenção: Não é o dinheiro a raiz do mal, mas sim o AMOR ao dinheiro! Dar os seus 10% como dízimo, ofertar, é uma demonstração não só de gratidão, de dever para contribuir com sustento da igreja e arrancar vidas das mãos de Satanás, mas também do seu desprendimento ao dinheiro. 

Oferte com amor 

Com Abel e Caim aprendemos a ofertar não por obrigação, mas com alegria e amor, como Abel, ou como Davi, dançando e saltitando, com gratidão genuína. Podemos concluir esta ministração de oferta ressaltando que sem fé é impossível agradar a Deus, portanto, ofertar sem fé também não agrada ao Criador. 

Leia também:

Um comentário

  • Valmira Ribeiro da Hora

    Muito interessante o assunto é o desenvolver desse assunto, a idéia central o amor ao ofertar nos leva, a meditar em como estamos ofertamos ao Senhor, vivermos uma pregação do evangelho da prosperidade uma troca do toma lá dá cá, e nesse estudo podemos refleti e aprender a verdadeira essência da oferta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *