Pais inteligentes não chamam seus filhos de burros 

Share Button

É comum que em alguma fase da vida de nossos filhos eles encontrem certa dificuldade na escola. Neste momento, os pais ficam, por vezes, um tanto quanto perdidos, sem saber bem o que fazer. Isso, de certa forma, traz um problema, ou um inconveniente, para a família, pois o problema de uma membro da família interfere na vida dos outros. Nessa hora, os pais tentam ajudar as crianças dando um reforço nas tarefas de seus filhos e aí começa a dizer coisas do tipo “presta atenção, eu já falei, você não ouviu, você é surdo, você é burro mesmo”. Pronto! A casa vira de ponta cabeça. A criança chora, faz birra, os pais se irritam, falam besteiras e desistem. O que fazer?

Vamos destacar quatro pontos para que você medite sobre a educação que oferece ao seus filhos. Qual a imagem que você passa para eles, é de um pai amoroso e misericordioso, ou de um carrasco, acusador? Queremos que o leitor entenda que a suas palavras, ditas em momentos de impaciência podem causar efeitos negativos que não imaginamos. Pensamos que nossos filhos compreendem que estamos nervosos e que toda aquela gritaria é momentânea, mas não é bem assim. O que para um adulto pode parecer irrelevante, para o filho, suas consequência podem trazer dificuldades por muitos anos. Por isso, achamos importante ressaltar como a bíblia nos orienta sobre todo tipo de palavra que dizemos, inclusive aos nossos filhos.



Cada filho é ímpar 

A primeira coisa que os pais precisam entender é a singularidade de cada um de seus filhos. Nenhum filho é igual ao outro, portanto, as comparações não cabem. Pode ser que essa dificuldade na escola seja passageira, como pode ser uma dificuldade que ele (o filho) leve para o resto de sua vida.

Os pais precisam estar preparados para enfrentar as dificuldades de seus filhos também. Muitas vezes, queremos nos isolar de nossa família e damos maior importância aos problemas do trabalho, por exemplo, que aos problemas de nossa família, de nossos filhos.

Ficar comparando nossos filhos com os dos outros, por exemplo, é uma das piores coisas que um pai pode fazer. Dizer que fulano ou cicrano é melhor na escola, mais comportado ou mais estudioso não traz benefícios.

O que dizer 

Segundo, peça ao Senhor que lhe dê sabedoria para lidar e entender a situação. Você é responsável por ministrar Deus na vida de seu filho. Converse com a criança. Geralmente, a partir de 7 ou 8 anos ela compreende bem as situações. Seja honesto, diga ao seu filho que, naquele momento, ele está com dificuldade, mas que você está ali para ajudá-lo. Traga palavras de encorajamento, de segurança, para que a criança se sinta confiante. Durante este período, ore para que Deus revele a você quais são os dons, talentos e habilidades que Ele deu ao seu filho.

Cada um tem de Deus o seu próprio dom, um, na verdade, de um modo, outro de outro. 1 Coríntios 7:7.

Interceda para que seu filho desenvolva esse talento para a glória de Deus. Lembre-se que os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis. Romanos 11:29.

Sua boca é uma espada 

Terceira coisa é lembrar que nossa boca é uma arma, como diz Provérbios 12:18 – alguém há cuja tagarelice é como pontas de espada, mas a língua dos sábios é medicina. Já Provérbios 18:21 diz: a morte e a vida estão no poder da língua.

A melhor maneira de desenvolvermos nossa linguagem é aperfeiçoar o coração, “porque a boca fala do que está cheio o coração”, Mateus 12:34. Um coração que está cheio do Espírito Santo vai gerar em nós uma linguagem misericordiosa, piedosa, trazendo vida para quem fala e para quem ouve.

O homem bom tira do tesouro bom coisas boas, mas o homem mau do mau tesouro tira coisas más. Mateus 12:35.

Perceba que esse é um tempo que o Senhor trabalhará na sua vida e na vida de seu filho, ou de seus filhos. Seja um instrumento nas mãos de Deus e não nas mãos do diabo.

Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no dia do juízo, porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras serás condenado. Mateus 12:36 e 37.

Peça ajuda 

Por fim, se você não tem habilidade para ajudar seus filhos nas tarefas escolares, contrate alguém que possa ajudá-lo. Isso não tira a sua responsabilidade de acompanhá-lo e encorajá-lo. Caminhe com seu filho para que ele possa olhar para você e ver a figura de Cristo, aquele que não desiste de nós e não nos abandona.

Um professor particular, um profissional capacitado, pode ser uma alternativa. Alguns pais erram porque querem fazer algo que não sabem. As dificuldades na escola, muitas vezes são deixadas de lado porque os próprios pais têm dificuldades com a matéria, o assunto, ou a situação em si, e acabam não lidando com o problema como deveria. Não há nada de errado em procurar ajuda com um profissional. Além disso, a leitura de livros é muito importante. Recomendamos, que os pais sempre leiam livros de acordo com a idade de seus filhos. Se atualizem, estejam antenados com novos estudos e metodologias para educar seu filho, segundo o cristianismo verdadeiro.

A melhor forma de lidar com as dificuldades de seus filhos é estar ao lado deles, e não contra eles. Não o torne alvo de suas palavras em vão. Seja você o maior abençoador de seus filhos. Às vezes confundimos os momentos de disciplinar com os momentos de apoiar. Nas dificuldades de aprendizado, o melhor a fazer é demonstrar nosso apoio e dar segurança aos nossos filhos.

Em nosso site temos diversos outros textos que podem lhe ajudar.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *